Quando o assunto é QI alto, o Brasil é líder na América do Sul.

E no ranking mundial, a nossa classificação também é considerável. Estamos na trigésima posição, com mais de 2 mil gênios.

Ao redor do mundo, os Estados Unidos ocupam a primeira colocação, com o registro de 52 mil pessoas de QI elevado. O segundo lugar fica com o Reino Unido, que tem 19 mil, seguido da Alemanha, com 16 mil.

Hoje temos 2.090 membros na Associação Mensa Brasil. Essa é a entidade que reúne pessoas superinteligentes ou com altas capacidades intelectuais. Ela é a representante oficial da Mensa Internacional, organização que reúne pessoas com QI elevado.

A Mensa Brasil diz que São Paulo lidera o total de integrantes identificados no Brasil como superdotados. O cálculo da organização diz que já foram mapeadas 984 superinteligentes no estado.

No Rio de Janeiro, são 229 pessoas com inteligência muito acima da média, no Distrito Federal 135, Paraná, 134, Rio Grande do Sul, 94. Acre, Rondônia e Amapá não têm nenhum superinteligente mapeado ainda.

Maioria é jovem

Das pessoas identificadas pela entidade no Brasil, 70% têm entre 19 e 36 anos. Os integrantes entre 13 e 18 anos correspondem a 10%, se mantendo no mesmo patamar verificado para a faixa etária entre 37 e 45 anos. Apenas 5% dos superinteligentes possuem mais de 45 anos de idade.

“Cerca de 2% dos habitantes do Brasil podem apresentar sinais de altas habilidades, com um QI muito acima da média. Porém, ainda não há um mapeamento abrangente destes indivíduos”, disse Rodrigo Lopes Sauaia, presidente da Mensa Brasil.

Inteligência acima do comum

Um dos brasileiros que entra para esta estatística é o pequeno Filippo de Castro Morgado, de apenas 5 anos. Ele é um dos mais novos integrantes da Mensa.

E o menino é muito inteligente desde cedo. Com apenas dois anos ele já sabia ler e aos 3 anos se tornou bilíngue, autodidata, ou seja aprendeu sozinho! Olha que incrível.

Fonte: sonoticiaboa