Depois do fim da novela entre o bilionário Elon Musk e o Twitter, o dono da Tesla já quer colocar seus planos em prática. Planos que, segundo ele, “destravaria” a rede social mais utilizada entre políticos e demais autoridades do mundo. Dentre os planos estaria “defender a liberdade de expressão”, além de prometer dar transparência ao algoritmo e combater robôs e ainda cogitou “autenticar” todos os usuários humanos. Segundo o bilionário, a rede social tem um “potencial tremendo” é deve ser uma espécie de “arena” de defesa para a liberdade de expressão.

A oferta feita por Musk, fundador da gigante de carros elétricos Tesla e da companhia espacial Space-X, aos acionistas prevê o pagamento de 54,20 de dólares por ação, o que avalia a plataforma em 44 bilhões de dólares, um preço 38% acima do valor em Bolsa da empresa em 1º de abril, antes da proposta do bilionário.

A aquisição, uma das maiores da história corporativa, pode tornar Musk um barão das redes sociais, com poder de controlar o que ele mesmo definiu como a “praça pública de fato do mundo”.

Fonte: osul