O desejo do pastor Robert Lee Hamilton era ser arrebatado, mas se não fosse possível viver até a volta de Jesus, ele gostaria de morrer pregando a Palavra de Deus no púlpito da igreja. Esse desejo era tão intenso que ele passou os últimos cinco anos repetindo isso a cada oportunidade. No último domingo, 07 de março, seu desejo foi realizado.

Hamilton tinha 84 anos. Casado, pai de seis filhos, ele sofreu um “infarto fulminante” e faleceu após pregar um sermão sobre santidade no culto daquele domingo, na Golden Gate Cathedral Church of God In Christ, na cidade de New Albany, Mississippi (EUA).

“Ele tem falado isso e tem sido seu testemunho por pelo menos cinco, seis anos ou mais. Ele disse: ‘Se eu não for arrebatado com a igreja… quero morrer no púlpito enquanto prego a palavra’. Essa seria a sua maneira de morrer, e foi isso que Deus fez”, disse Norman Hamilton, um dos filhos do pastor.

“Ele disse: ‘Não quero ficar em casa, não quero estar no hospital. Se eu morrer, quero que o Senhor me arrebate, mas se não, quero morrer na igreja pregando a palavra’”, reiterou o filho do pastor, em entrevista ao portal The Christian Post.

Coincidências

Um caso semelhante ocorreu no Brasil em fevereiro de 2018, quando o pastor Walter Vieira pregava no púlpito da igreja Centro Evangelístico Internacional Mutuá (CEI Mutuá), em São Gonçalo (RJ).

Ao ler um trecho do Salmo 119, estimulou a congregação a dar glória a Deus e caiu sem vida. O culto estava sendo filmado, e o vídeo circulou nas redes sociais.

Uma semana antes da morte do pastor Robert Lee Hamilton, a igreja organizou uma palestra de conscientização dos fiéis sobre doenças cardíacas. Nas redes sociais, a congregação – da qual Hamilton foi pastor titular por 45 anos – resumiu o evento: “Dr. Smith nos disse como podemos ser mais ativos e como prevenir doenças cardíacas”.

Mais ou menos na mesma época, Norman notou que seu pai parecia “meio fraco”. Como ele nunca tinha tido relato de problema de saúde de seu pai, o choque com sua morte repentina foi forte.

“Ele foi uma grande força durante toda a minha vida, desde que o conheço. Nunca foi ao hospital ou algo assim, nunca esteve doente. Ele entrou na igreja ontem, sentindo-se bem, falando, e ele se sentou no púlpito em sua cadeira por volta da 1 hora. [Então], ele olhou para cima como quem olha para o céu e morreu; como se ele tivesse tido um ataque cardíaco fulminante ali mesmo”, detalhou o filho.

Choque

Toda a congregação de pouco mais de 200 pessoas foi alertada sobre a emergência do pastor porque ele ainda segurava o microfone quando se sentou, mas o deixou cair porque o coração havia parado: “Ele deixou o microfone ligado. Foi assim que soubemos. O microfone atingiu o chão. Todos olharam para cima e nós o vimos e ele estava caído”, acrescentou Norman.

Em luto, ele disse que parecia que seu pai havia de alguma forma pressentido o que estava por vir, porque seu sermão final falando sobre santidade foi sério: “Santidade – essa foi a sua mensagem. Ele estava dizendo aos membros que você tem que ser salvo e cheio do Espírito Santo para chegar ao Céu: ‘Persevere, segure o que você tem’. Essa foi sua mensagem final para a igreja antes de se sentar. Ele estava tipo, ‘Prepare-se!’ Foi uma sensação estranha como se ele soubesse o que estava acontecendo”.

Muitas pessoas tentaram reanimar o pastor e houve muito choro. “Foi um caos. Estavam gritando. Todo mundo correu até ele para cuidar dele. RCP [massagem cardíaca, na sigla em inglês], tudo”, disse Norman Hamilton.

Descrevendo seu pai a pedido da imprensa, Norman Hamilton disse que ele foi um “homem incrível” que “cuidava de sua família”: “Ele amava sua esposa. Ele foi casado com uma esposa por 63 anos […] Sem filhos fora do casamento. Ele era um homem santo, um homem incrível. Ele foi salvo e santificado aos 16 anos de idade. Ele tem corrido com o Senhor desde então. Ficamos em choque. Ele estava indo bem e, de repente, estava inconsciente”.