Desfile da Gaviões da Fiel traz luta de Satanás contra Jesus

Imagens que parecem mostrar o Diabo ‘vencendo’ Cristo geraram críticas


O desfile da escola de samba Gaviões da Fiel este ano encerrou a segunda noite do Carnaval de São Paulo em meio a polêmicas. Reeditando o samba-enredo de 1994, “A Saliva do Santo e o Veneno da Serpente”, trouxe várias representações religiosas para a avenida, embora o objetivo seria contar uma lenda árabe sobre o surgimento do café.


Elogiado pelos comentaristas da TV e nas redes sociais, a performance também gerou muitas críticas. Em especial por conta da representação da ‘batalha do bem contra o mal’ onde Satanás e seus demônios confrontavam Jesus e seus arcanjos.



Embora o tema fosse o café, a religiosidade deu o tom. No terceiro carro alegórico havia uma gigante escultura de Oxalá, com pretos velhos e Exus nas laterais e um enorme São Jorge, padroeiro do clube e da escola de samba no topo.


Em outros carros alegóricos, figuras de Satanás, associado à serpente, que teria enganado Santo Antão, conforme o tema proposto para o samba-enredo.


Contudo, a representação de Antão com as características geralmente atribuídas a Cristo gerou debate. Em especial no momento em que ele é aparentemente derrotado pelo diabo.


Para usuários das redes sociais ficou evidente que a representação era de Jesus, embora a escola alegue que era de Santo Antão, um monge cristão que viveu no Egito no século III.


Primeiramente porque logo atrás da comissão de frente havia uma alegoria do santo com uma representação de um homem careca e com roupas longas, bem diferente do passista que carregava uma coroa de espinhos na cabeça e com apenas um tecido enrolado no quadril.


Além disso, o momento onde ele cai, com os braços estendidos em forma de cruz e o passista que interpreta o Diabo coloca o tridente sobre o ‘santo’ remete a uma postura vitoriosa do mal, o que incomodou muitos cristãos.



Explicação do enredo

Segundo o site da SASP, a comissão de frente “conta a história de Santo Antão que testado constantemente pelos Soldados do Mal, encontrou uma serpente fragilizada e cuidou dela, mas acabou traído pela mesma. Santo Antão livrou-se da traiçoeira serpente e, com a luz dos anjos do bem, extraiu o seu veneno. Chupou a ferida em seu braço. Cuspiu no solo infértil e ali surgiu – de forma mágica e vigorosa – ramos de tabaco. Assim teria surgido o tabaco e prevalecia a fé em Jesus Cristo. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Wagner e Adriana, representaram a força da fé no norte da África, é o encontro das crenças cristãs e muçulmana no deserto africano. O carro abre alas da escola representou os delírios de Santo Adão quando era perseguido pelos pensamentos do diabo, O Delírio do Santo e a Peregrinação no Deserto Africano”.

Categoria:Notícias

Deixe seu Comentário


Felipe Eduardo - 06/03/2019 14h56
Sou corinthiano Mas se eu fosse jurados tinha eliminado A escola antes de entrar na avenida Com Deus não se brinca
Ricardo - 04/03/2019 21h06
Sou corinthiano e não gostei por mim que seja penalizado
Tom Ellis - 04/03/2019 20h39
O objetivo não era contar sobre a origem do café! Tabaco não é café, Radio Gospel. Pelo amor de Deus! Não mata a gente de vergonha!!
MARTA LIMA MOREIRA - 04/03/2019 10h24
esse no chao é antrao. se a pessoa gastar pelo menos 2 minitos para ler o samba enredo e emtemder a historia nao vai inventar nennuma suposição... ou teoria da conspiração. muitas mentes sujas estao em buscar pelo em casca de ovo